Assista: Casagrande vê Corinthians “perdido” após ano sem raça: “Longe da história”

Casagrande Sportv

Comentarista diz que efetivação do auxiliar Fábio Carille é “injustiça contra ele”, já que
profissional havia sido sacado para entrada de Oswaldo: “Não era bom e agora é?”

Ex-jogador do Corinthians, o comentarista Walter Casagrande fez críticas duras ao futebol apresentado pelo time alvinegro em 2016: sem raça, disposição e longe da história do clube, marcado pelo sofrimento em campo. Em participação no “Seleção SporTV”, ele disse que a equipe corre o risco de seguir “flertando com a Série B” na próxima temporada.

– Não é por causa do Carille (possível rebaixamento), seria injusto falar isso. O Corinthians está flertando com a Série B desde esse ano por falta de organização, de estrutura, de coerência. O Corinthians não correu risco este ano porque fez muitos pontos na primeira metade do campeonato. Mas o rendimento nas últimas 12 rodadas era de rebaixamento. Não só pelo pontos, o rendimento era péssimo, a equipe não tinha resistência nenhuma. O adversário, quando agredia, fazia gol.

Na visão de Casão, a efetivação do auxiliar Fábio Carille é oportunista, já que o profissional tem sido considerado útil apenas em momentos de crise. O comentarista lembrou que Carille se tornou o técnico do time após a demissão de Cristóvão Borges, mas acabou sacado para a entrada de Oswaldo de Oliveira, último técnico do Alvinegro.

– Efetivar o Carille é uma injustiça com ele, uma sacanagem. Há dois meses, ele era o treinador. Aí tiraram o Carille e colocaram o Oswaldo. Não era bom naquela época e agora é? Quanto estava ruim, era o Carille. Aí, tinha chance de Libertadores, traz o Oswaldo. Agora, está ruim de novo, põe o Carille. O Corinthians está perdido, é um ano assustador – afirmou.

O Corinthians terminou o ano sem títulos e fora da Libertadores, já que ficou no sétimo lugar na tabela do Brasileirão. Casagrande recordou o empate em 0 a 0 do Timão com o Atlético-PR, em casa, pela 37ª rodada, como símbolo da falta de raça da equipe.

– O time era muito fraco, sem disposição, apático, muito longe da história do Corinthians. Não estou falando que está faltando um Rivelino, um Sócrates. Não é isso. Está faltando raça mesmo, o que o torcedor do Corinthians adora: raça, perder sofrendo, ganhar sofrendo. Perdia sem sofrer. Se ganhasse, era sem sofrimento também.

Fonte: Ge.com

Leia também:
Fluminense finaliza ‘burocracia’, e Corinthians se aproxima de anúncio de Sornoza
Agente e advogado de Boselli são aguardados pela diretoria do Corinthians nesta quinta-feira
Corinthians e Santos finalizam detalhes para a realização de amistoso na Arena; data está definida
Quebra-cabeça: Corinthians inicia 2019 com 31 jogadores no elenco; oito são atacantes