Juiz manda Corinthians entregar taça do Mundial; Andrés faz piadas e promete solução em 48 horas

Taça penhorada por decisão judicial (à direita) ainda está no Memorial do Parque São Jorge (Foto: Rodrigo Vessoni/Meu Timão)

O Corinthians recebeu mandado para entregar a taça do Mundial de Clubes de 2012 como penhora por dívida com o Instituto Santanense de Ensino Superior. A determinação foi feita pelo juiz Luis Fernando Nardelli, da 3ª Vara Cível de São Paulo, expedida nesta quinta-feira.

Reivindicando R$ 2,5 milhões de suposta dívida de 2008, a universidade havia entrado na Justiça com a solicitação de penhora na quarta-feira. Por meio de nota oficial, o Corinthians minimizara o pedido da credora, a acusando de “ferir a ordem legal de preferência dos bens passíveis de penhora com único intuito de gerar efeito midiático infundado.”

Até o início de tarde desta quinta-feira, o troféu do Mundial de 2012 estava exposto no Memorial do Parque São Jorge, conforme mostra a fotografia acima, da reportagem do Meu Timão. De acordo com o mandado, o clube tem 48 horas para entregar a taça.

Posicionamento do Corinthians

O presidente Andrés Sanchez concedeu nesta tarde de quinta-feira entrevista coletiva no CT Joaquim Grava para prestar esclarecimentos. O mandatário adotou tom zombeteiro, fazendo piadas sobre clubes que não têm título mundial e sugerindo que os advogados da universidade somente entraram com o pedido de penhora por torcerem para outro time.

Andrés prometeu pagar o valor exigido pela universidade em até 48 horas.

“Pelo menos o Corinthians tem taça do Mundial para penhorar, né? Temos terrenos, ônibus, carro, temos patrimônio. Mas preferiram a taça do Mundial porque é provado que temos dois Mundiais”, iniciou o discurso.

“Processo desde 2005, 2006 se não me engano. Era uma faculdade que tinha dentro do Parque São Jorge. Anos depois teve um rompimento. Os dois entraram na Justiça. Faculdade tem a receber, Corinthians também, estamos negociando há dois meses para fazer um acordo e estava avançado. Infelizmente os advogados quiseram uma nota midiática e fazer esse negócio da taça do Mundial. Nós em 48 horas vamos resolver isso sem problema. Não tem mais o acordo. Vamos resolver. O que nos cabe a pagar vamos pagar. Depois vamos esperar nosso processo para receber nossa parte. É uma ação midiática. Devem torcer para outro time os advogados e fizeram isso”, concluiu.

A batalha judicial

O Instituto Santanense, mantenedor da UniSant’Anna, já havia tentado bloquear parte da premiação do Timão pelo vice-campeonato da Copa do Brasil, conquistado no último dia 17 de outubro. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), entretanto, depositou os R$ 10 milhões restantes antes de receber a intimação – ela pagara R$ 10 milhões inicialmente.

Para o credor, houve conluio entre Corinthians e CBF para evitar que o dinheiro fosse bloqueado. A empresa diz que o assunto se tornou público no dia 22, antes de a entidade transferir a quantia. Também argumenta que o Timão enviou um recibo de quitação à mesma CBF três dias antes, em 19 de outubro.

“É inconteste que o Executado tinha ciência do pleito formulado pelo Exequente e, assim, em conluio com a CBF buscou adiantar o recebimento do prêmio ao qual fazia jus, frustrando, assim, o cumprimento da determinação judicial de bloqueio desses valores”, relata o documento de solicitação da penhora ao qual o portal Uol teve acesso na quarta-feira

A dívida do Corinthians com a UniSant’Anna teve início dez anos atrás. A universidade chegou a alugar determinado espaço dentro do Parque São Jorge, sede social do clube, onde montou um campus. Contudo, segundo a própria, o Timão passou a impedir o acesso de alunos e funcionários, obrigando-a a buscar indenização

Fonte: Meu Timão

Leia também:
Corinthians anuncia contratação de Ramiro
Corinthians tem interesse em revelação do Bahia e pode fazer operação com europeu por acerto
Corinthians tem interesse em Uendel, do Internacional
Diretor do Fluminense confirma ‘sim’ de M. Gabriel e Corinthians se aproxima de acerto por Sornoza