Drogba causa divisão entre setores no Corinthians

Drogba jogou no Montreal Impact, time dos Estados Unidos

Departamento de publicidade comanda negociação com Drogba. Parte técnica vê marfinense em declínio e não o quer. Dividido, presidente cogita acerto

O Corinthians passou a ter uma disputa interna depois que o nome do atacante Didier Drogba foi levado ao clube por empresários nas últimas semanas. Enquanto o departamento de marketing trabalha para alinhar um acordo, boa parte dos integrantes do departamento de futebol é contrária à contratação do marfinense.

Não há uma quebra de braço explícita entre os setores, mas a divergência de opiniões reforça ainda mais o distanciamento entre eles. Enquanto uma ala aposta na grife de buscar um jogador renomado, a outra teme que a idade avançada dele – 38 anos – não traga benefício técnico.

Apesar de ter anunciado a saída do cargo na última segunda-feira, o ex-superintendente de marketing do Corinthians, Gustavo Herbetta, segue à frente da negociação. A ideia de trazer Drogba surgiu em setembro do ano passado pelas mãos do empresário André Campoy, muito próximo a Andrés Sanchez, mas só agora ganhou força.

Prova do descontentamento do futebol com a ideia foi a declaração do chefe do departamento, o diretor Flavio Adauto, em entrevista ao site do jornal “O Estado de S.Paulo”:

– Não teremos o Drogba. O departamento de futebol não entrou nessa história e, com todo o respeito, não aprova essa intenção e esse caso não irá prosperar. Só lamento pelo torcedor. Frustrá-lo é um grande desrespeito – disse Adauto.

No meio dos dois departamentos está o presidente Roberto de Andrade, que, antes contrário ao negócio, passou a cogitá-lo. Alguns dirigentes favoráveis ao acerto ficaram impressionados com a repercussão positiva do nome do jogador entre os torcedores nas redes sociais.

Pessoas próximas a Roberto de Andrade acreditam que o presidente pode passar por cima do futebol e contratar Drogba para tentar recuperar a popularidade diante de conselheiros e torcedores. No entanto, em caso de fracasso do jogador, o dirigente poderá amargar um fim de mandato ainda mais turbulento.

Prós e contras

O marketing defende a contratação do jogador para reconquistar a torcida, bastante irritada após as atuações em 2016, e atrair o mercado publicitário. De acordo com o projeto, empresas ajudariam no pagamento dos salários. Em troca, utilizariam a imagem de Drogba em campanhas.

Outro ponto defendido pela ala que apoia a contratação é o baixo custo. Drogba está sem clube desde que deixou o Montreal Impact, do Canadá, e não pede salários tão elevados em comparação com a realidade do futebol brasileiro – cerca de R$ 400 mil.

Do outro lado está a parte técnica, que pesa contra a contratação. A avaliação é de que buscar neste momento um jogador de 38 anos não traria benefícios ao grupo. Na análise, Drogba está em declínio nos últimos anos, o que ficaria comprovado por ter atuado em uma liga de baixo nível técnico nos Estados Unidos na última temporada.

Mais que isso: o atacante marfinense chegaria para atuar em uma posição na qual o Corinthians recentemente contratou Jô como solução e ainda conta com Kazim como alternativa. Danilo, com 37 anos, se recupera de uma cirurgia e também pode atuar na função.

Quem acredita no negócio diz que o Timão enviará um emissário a Londres nesta sexta-feira para conversar com Drogba. A diretoria não confirma.

Fonte: Ge.com

Leia também:
Fluminense finaliza ‘burocracia’, e Corinthians se aproxima de anúncio de Sornoza
Agente e advogado de Boselli são aguardados pela diretoria do Corinthians nesta quinta-feira
Corinthians e Santos finalizam detalhes para a realização de amistoso na Arena; data está definida
Quebra-cabeça: Corinthians inicia 2019 com 31 jogadores no elenco; oito são atacantes