Revenda de ingressos e biometria: Arena Corinthians se prepara para transformação em 2019

Já em 2019, Timão espera adotar sistema biométrico na Arena Corinthians; bem-vindo à era da tecnologia! Rodrigo Coca/Ag. Corinthians)

A Arena Corinthians deve passar por considerável transformação a partir de 2019. Muito em razão do acordo firmado com a empresa norte-americana de tecnologia IBM, oficializado na manhã da última sexta-feira. Duas das futuras mudanças envolvem diretamente o torcedor do clube, seja sócio-torcedor ou não.

O Timão espera, já dentro dos próximos meses, oferecer ao membro de determinado plano do Fiel Torcedor a possibilidade de revender ingressos. Assim, aqueles corinthianos que adquirem entradas para toda a temporada podem repassá-las eventualmente, quando não puderem comparecer a uma partida, por exemplo.

A fim de evitar quaisquer formas de cambismo, o clube lançará plataforma própria para a revenda de bilhetes, como já ocorre na Europa. Todas as negociações sacramentadas entre os próprios torcedores renderão percentual de lucro aos cofres corinthianos.

Em entrevista concedida ao Meu Timão, o diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, afirmou que a concepção do projeto, embora esteja ligada ao programa Fiel Torcedor, é bastante distinta.

“Quem compra todos os jogos e consequentemente não vai frequentar um jogo, eu tenho que dar o direito de revenda. O conceito de sócio-torcedor é diferente, ele paga uma mensalidade para ter o direito de, ao livre arbítrio dele, comprar ou não comprar o ingresso com desconto para ir no jogo”, explicou Rosenberg.

“Esse é um outro conceito, ele exerce ou não exerce. Nós vamos procurar um tratamento homogêneo para cada grupo de frequentadores”, enfatizou o dirigente.

Biometria: o X da questão

Outra novidade prevista para o ano que vem é a implantação da biometria. Corinthians e IBM garantem que a área VIP da Arena contará com a tecnologia em breve, possivelmente durante o Campeonato Paulista. A intenção do Timão, no entanto, é estender o projeto para todos os locais de acesso de torcedores à Arena Corinthians.

Há quem entenda que a biometria afastará o torcedor do estádio. Na Arena, por exemplo, corinthianos têm o costume de emprestar o cartão de sócio-torcedor a algum familiar ou amigo quando não podem ir aos jogos. Tal prática, hoje já considerada irregular, será inviável a partir da adoção do sistema biométrico.

Rosenberg, por sua vez, garante: a tecnologia trará ainda maior público a Itaquera. “Pelo contrário. Eu faço a biometria para aumentar o público. Por exemplo, às vezes estou na véspera de um jogo e sei que vão sobrar 15, 20 mil lugares. Com a biometria vou poder fazer coisas do seguinte tipo: um sócio-torcedor registrou toda a família dele; faço uma campanha e em 30 segundos ele recebe uma mensagem no celular dizendo: ‘Escuta, quer levar a mulher e os filhos com 30% de desconto?’”, discorreu o diretor.

“Ele entra com o cartão privilegiado que ele vai ter, faz esse pagamento e chega lá só com o cartão dele. A biometria vai servir para facilitar ao Corinthians fazer promoções adicionais ao torcedor”.

A parceria entre Corinthians e IBM possui duração de dez anos. A companhia, entre as maiores do ramo no mundo, prevê investimento inicial de R$ 12 milhões em equipamentos e programas. Saiba mais detalhes sobre o acordo aqui.

Fonte: Meu Timão

Leia também:
Fluminense finaliza ‘burocracia’, e Corinthians se aproxima de anúncio de Sornoza
Agente e advogado de Boselli são aguardados pela diretoria do Corinthians nesta quinta-feira
Corinthians e Santos finalizam detalhes para a realização de amistoso na Arena; data está definida
Quebra-cabeça: Corinthians inicia 2019 com 31 jogadores no elenco; oito são atacantes