Corinthians apresenta parceria de dez anos com IBM, que assume FT e promete modernizar Arena

Parceria foi apresentada nesta sexta-feira na Arena Corinthians (Foto: Vinícius Souza/Meu Timão)

O departamento de marketing do Corinthians apresentou na manhã desta sexta-feira, em evento na Arena, em Itaquera, nova parceria do clube com a empresa norte-americana IBM. A companhia de tecnologia, agora de forma oficial, substitui a Omni na gestão do Fiel Torcedor, que será remodelado dentro dos próximos meses. A IBM promete também modernizar o estádio corinthiano, com investimento inicial de R$ 12 milhões em infraestrutura.

O projeto já havia sido antecipado pelo diretor financeiro do Corinthians, Matias Ávila, em entrevista recente ao Meu Timão. A parceria se dará pelos próximos dez anos, até 2029.

“Esse é um projeto que tem um investimento inicial muito pesado. Essa deficiência (tecnológica) será coberta por investimento feito pela própria IBM, coisa de mais de R$ 12 milhões. Depois tem um processo de treinamento e entrada de novos investimentos. A ideia é tornar a compra dos ingressos, o pagamento do estacionamento, etc., tudo isso absolutamente ágil e sem maiores problemas”, disse o diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg.

A parceria possui duas frentes: na primeira, Timão e IBM pretendem remodelar a forma de vender ingressos pela internet, modernizar o controle de acesso à Arena, transformar o Fiel Torcedor, o suporte de tecnologia da informação do estádio e fornecer serviços de consultoria a fim de maximizar a experiência dos torcedores.

Posteriormente, a empresa prevê investimento também em performance esportiva. Será implementada a IoT, tecnologia que permitirá à comissão técnica possuir uma análise profunda da distância percorrida por cada atleta, seus movimentos dentro de campo e outros benefícios.

“Hoje se usa o GPS em diversos clubes. (Com a IoT) Vamos conseguir determinar qualquer movimento do atleta numa distância de quatro polegadas. Você consegue avaliar todo o rendimento do atleta em tempo real, colocando o quanto ele correu, o batimento cardíaco, o desgaste que ele teve ou não naquela partida. A comissão tem a chance de fazer uma análise comparativa com outros jogos, se ele correu mais, correu menos… Esses insights são muito importantes”, explica o vice-presidente de serviços da IBM Brasil, Frank Koja.

Além de Rosenberg e Koja, participaram do evento o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, e o presidente da IBM, Tonny Martins.

Considerada uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, a IBM é parceira de instituições como o Banc of California Stadium, o Mercedes-Benz Stadium, sede do Atlanta Falcons, e o Centro de Treinamento Infantil de Saúde de Atlanta, instalação de treinamento do Atlanta United Football Club.

Outra ousada meta traçada pela direção do Corinthians é dobrar o número de sócios-torcedores em 18 meses. O clube possui hoje pouco mais de 116 mil associados adimplentes, aparecendo na quarta colocação do ranking Torcedômetro.

Leia outros trechos da entrevista coletiva

Passagem de bastão entre Omni e IBM
Rosenberg: Nós levamos nove meses negociando esse projeto. A gente faz um filho nesse período, exatamente pela complexidade dele. Não só para trazer uma clareza maior para uma IBM, que não frequenta o mundo do futebol brasileiro. Era um trabalho quase que aclimatar uma freira a um festival de rock. Isso demandou tempo. Nosso sócio-torcedor funciona muito satisfatoriamente, um dos episódios de sucesso na gestão anterior (…). A IBM vai receber da Omni toda a assessoria para fazer essa passagem. Existe um espírito muito respeitador da IBM. No processo de negociação, houve uma disposição a entender o que estava sendo feito.

Custos da Arena
Rosenberg: A IBM não está eliminando a OMNI, é mais ou menos como uma corrida de bastão. Eu preciso de investimento substantivo em tecnologia. Os valores foram sendo discutidos, quanto falta, o que precisa. Resultado: o custo da nossa operação vai se manter praticamente no mesmo nível que tinha com a Omni. O custo do Corinthians para desfazer esse contrato (com a Omni) é absolutamente zero. E durante dez anos a IBM ajuda o Corinthians a construir a maior tecnologia em conversão.

IBM levará 50% dos ganhos do FT?
Rosenberg: Contrato é completamente diferente. Estamos contratando a prestação de serviço de uma empresa de tecnologia. Não tem aquela vinculação que existia antes, é um contrato realmente de contratação de um fornecedor diferenciado.

Possibilidade de revender ingressos e cadeiras
Rosenberg: ‘Pô, por que vocês não fazem um mercado secundário de ingressos?’ O que eu preciso: ele (torcedor) me notifica, eu boto isso na rede, ele fica com um valor, o Corinthians terá uma comissão para operar esse sistema. Eu diminuo o risco de ele comprar a cadeira, diminui o custo de ele ser proprietário de uma cadeira season ticket e, portanto, aumenta a possibilidade de venda.

Novos cartões do FT
Koja: Os cartões serão mudados para cartão multisserviço. Nosso objetivo é a modernização, permitir que a gente faça um cartão de pontos específico, uma plataforma com demais parceiros. A gente democratiza o uso do cartão, não será só um plástico que te identifica. Fazer um cartão multisserviço, com pontuação, direito a uso em outras plataformas. Não vai mudar de imediato, temos que modernizar algumas coisas, infraestrutura, as catracas… Isso será efetivado em 2019.

Fonte: Meu Timão

Leia também:
Fluminense finaliza ‘burocracia’, e Corinthians se aproxima de anúncio de Sornoza
Agente e advogado de Boselli são aguardados pela diretoria do Corinthians nesta quinta-feira
Corinthians e Santos finalizam detalhes para a realização de amistoso na Arena; data está definida
Quebra-cabeça: Corinthians inicia 2019 com 31 jogadores no elenco; oito são atacantes