Que situação: Eventuais contratações e transferências deve ser feita por André Negão

Vice na chapa de Roberto de Andrade André Negão

Roberto de Andrade segue nos EUA, e o Vice Presidente André Negão deve oficializar eventuais transferências e contratações do Corinthians

Uma semana antes de o elenco se apresentar no CT Joaquim Grava para a temporada de 2017, o Corinthians vive uma situação inusitada: a oficialização de eventuais contratações e transferências de jogadores deve ser feita pelo vice-presidente André Negão.

Roberto de Andrade viajou em 22 de dezembro para passar as festas de fim de ano nos Estados Unidos, onde ele e a esposa visitam parentes. Apesar de, em princípio, ter o retorno especulado para a primeira semana de janeiro, o presidente retornará ao Parque São Jorge apenas no dia 10, conforme apurado pelo Meu Timão com pessoas próximas ao mandatário.

Como a apresentação dos jogadores no CT Joaquim Grava está marcada para o dia 12 e a diretoria planeja ter o elenco praticamente definido até lá, chegadas e saídas de atletas devem ser oficializadas nos próximos dias. Sem Roberto de Andrade, quem assinará as papeladas será o vice-presidente André Negão, conforme manda o estatuto do clube.

De acordo com o documento máximo do Corinthians, “é atribuição do presidente da diretoria (…) contratar jogadores e técnicos; admitir, dispensar e punir empregados, fixar vencimentos e salários (…)”. Nas “faltas ou ausências” de Roberto de Andrade, é atribuição do primeiro vice-presidente da diretoria substitui-lo.

Pessoas que estiveram recentemente em cargos da diretoria corinthiana confirmaram à reportagem que, em uma situação de ausência do presidente por motivo de viagem particular, é possível de fato que contratações sejam oficializadas pelo clube. Para tal, cabe ao vice-presidente assinar os documentos em nome do Corinthians.

Chama atenção o fato de André Negão, há pouco tempo, ter se afastado extraoficialmente do cargo de vice-presidente do Corinthians para se dedicar a sua candidatura como vereador de São Paulo. Na época, ao se justificar, ele chegou a se comparar ao ex-vice-presidente da República Michel Temer como “vice decorativo” de Roberto de Andrade, dando a entender que não fazia falta ao Timão.

Vale ainda lembrar que Negão vem se envolvendo em inúmeras polêmicas nos últimos meses. Foi detido no início do ano passado por porte ilegal de arma, está sendo investigado pela Polícia Federal por suposta participação em esquema de propina da construtora Odebrecht, e perdeu seu cargo político na equipe do deputado federal Andrés Sanchez. Ainda por cima, é alvo de críticas de conselheiros corinthianos por facilitar a entrada de André Vinícius, seu filho, uma “promessa de 25 anos”, no Corinthians.

Leia também:
Fluminense finaliza ‘burocracia’, e Corinthians se aproxima de anúncio de Sornoza
Agente e advogado de Boselli são aguardados pela diretoria do Corinthians nesta quinta-feira
Corinthians e Santos finalizam detalhes para a realização de amistoso na Arena; data está definida
Quebra-cabeça: Corinthians inicia 2019 com 31 jogadores no elenco; oito são atacantes